COMUNICAÇÃO E A VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR:

UMA ABORDAGEM A PARTIR DA PESQUISA-AÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA

Autores

  • Larissa Beck Gardin PPGDR/UNIJUÍ
  • Antônio Escandiel de Souza UNICRUZ
  • Nelson José Thesing PPGDR/UNIJUÍ
  • Elisiane Bisognin PPGDR/UNIJUÍ
  • Pedro Luís Buttenbender PPGDR/UNIJUÍ

Palavras-chave:

Violência. Comunicação Não Violenta. Famílias.

Resumo

O artigo apresenta como objetivo central compreender a comunicação e a violência intrafamiliar, enquanto um espaço e ambiente, com possibilidade de praticar uma Comunicação Não Violenta, para a superação da violência presente em famílias. Para responder a esse desafio, a pesquisa conta com a base metodológica dos elementos da pesquisa-ação, como norteador do planejamento de ações com vistas à resolução de problemas, bem como, a tomada de consciência, a produção de conhecimento. Os achados da pesquisa permitem afirmar que o trabalho colaborativo realizado em um grupo constituído de pais e mães de famílias, no Centro de Referência Especializado de Assistência Social, no município de Panambi/RS, com situações de violência intrafamiliar, oportunizou pela Comunicação Não Violenta, mitigar em boa parte a violência, ao adotar novas formas de linguagem e comunicação, com vistas a tornar o convívio familiar mais afetivo, fraterno e solidário. Desta forma, o artigo fornece subsídios teóricos e práticos, pela Comunicação Não Violenta, contemplando um olhar crítico-reflexivo para a superação da violência intrafamiliar

Biografia do Autor

Larissa Beck Gardin, PPGDR/UNIJUÍ

Doutoranda em Desenvolvimento Regional no PPGDR/UNIJUÍ; Bolsista Prosuc/CAPES; Mestre em Práticas Socioculturais e Desenvolvimento Social pela UNICRUZ.

Antônio Escandiel de Souza, UNICRUZ

Doutor em Linguística Aplicada (UFRGS), Pesquisador líder do Grupo de Estudos Linguísticos – GEL/UNICRUZ.

Nelson José Thesing, PPGDR/UNIJUÍ

Doutor em Integração Regional pela Universidade Federal de Pelotas. Mestre em Integração Regional pela Universidade Federal de Pelotas. Professor Adjunto do PPGDR/UNIJUÍ.

Elisiane Bisognin, PPGDR/UNIJUÍ

Doutoranda em Desenvolvimento Regional no PPGDR/UNIJUÍ. Bolsista Prosuc/CAPES. Mestre em Gestão Pública pela Universidad Nacional de Misiones - Argentina.

Pedro Luís Buttenbender, PPGDR/UNIJUÍ

Doutor em Administração pela UNAM-Argentina (2014); Realiza Estágio  de Pós-Doutorado no PPGDPP/UFFS. Mestre em Gestão Empresarial pela EBAPE/FGV (2001); Professor do PPGDR/Unijuí.

Referências

ADORNO, S. Violência e educação. Trabalho apresentado no 5o Simpósio Municipal de Educação, mimeo, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, 1988

AMARO, S. Crianças vítimas de violência: das sombras do sofrimento à genealogia de resistência. Uma nova teoria científica. Porto Alegre: AGE/EDIPUCRS, 2003

AMENDOLA, M F. Crianças no Labirinto das acusações: falsas alegações de abuso sexual. Curitiba: Juruá, 2009

ARIÈS, P. História Social da Criança e da Família. 2a edição, Rio de Janeiro, LTC editora, 1981

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS (53a) realizada em 6 de outubro de 1999. Disponível em: http://www.comitepaz.org.br/download/Declara%C3%A7%C3%A3o%20e%20Programa%20de%20A%C3%A7%C3%A3o%20sobre%20uma%20Cultura%20de%20Paz%20-%20ONU.pdf Acesso em 18 de maio de 2022.

ATLAS DA VIOLENCIAS - o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/publicacoes. Acessado em maio de 2022

AZEREDO, M A e Guerra, V N de A. (org). Mania de bater: a punição corporal doméstica de crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo: Iglu, 2001.

BARDANa, L. Analise de Conteúdo. Edições 70. Brasil. 2011

BRASIL Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8069 de 13 de julho de 1990.

BRASIL. Lei Maria Da Penha. Lei no 11.340, de 7 de agosto de 2006.

BRASIL, Lei Orgânica da Assistência Social. Lei 12.435/2011 Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12435.htm#art1. Acesso: 09 de maio de 2022

BRASIL, Lei 13.431/2017. Sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13431.htm. Acesso: 07de junho de 2022

Brasil, Política Nacional de Assistência Social – PNA/2004. Norma Operacional Básica – NOB/SUAS Resolução do CNA No 145, DE 15 DE OUTUBRO DE 2004 (DOU 28/10/2004)

CHIOQUETTA, RD. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: o Berço do crime. Revista do Laboratório de Estudos da Violência da UNESP/Marília. 2014, ed13 ISSN 1983-2192

CAPPELARRI, J L.; MAIERN, M D J. O uso da comunicação não violenta na resolução1 de conflitos. In. Justiça Restaurativa na práxis das Polícias Militares. Uma análise sobre as políticas de segurança às vítimas em situação de violência.

FRIEDRICH, D W. COSTA, M M M da. SILVA, G P da (Coords) – Curitiba: Multideia, 2009

CONSELHO DERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS) Parâmetro para atuação de assistentes sociais e psicólogos (as) na Política de Assistência Social / Conselho Federal de Psicologia (CFP), Conselho Federal de Serviço Social (CFESS).Brasília, CFP/CEFESS, 2007

COSTA, J. F. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: edições Graal, 2004.

FERREIRA, K. M. M. Violência doméstica/intrafamiliar contra crianças e adolescentes - nossa realidade. In. Violência doméstica contra a criança e o adolescente SILVA, L. M. P. da. Recife: EDUPE, 2002.

FONSECA, P M. Lucas, T N S. Violência doméstica contra a mulher e suas consequências psicológicas – monografia de graduação do curso de psicologia - Escola Bahiana De Medicina e Saúde Pública – 2006

FREIRE, P. 1921-1997. Conscientização [livro eletrônico]/ Paulo Freire, tradução Tiago José Risi Leme. – São Paulo: Cortez, 2018

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa, 5a ed, São Paulo: atlas, 2010

GILHAM, B. Developing a questionaire (real world reseech). London: Continuum,2008

GROSSI, P.K. SANTOS A. M dos. OLIVEIRA, S. B de. FABIS, C. da S. Implementando práticas restaurativas nas escolas brasileiras como estratégia para a construção de umacultura de paz. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 28, p. 497-510, set./dez. 2009. Disponível em:http://www.redalyc.org/html/1891/189114443007/ Acesso em 05 de junho de 2022

GUERR, V.N de A. Violência de pais contra filhos: a tragédia revisada – 5a ed. São Paulo: Cortez, 2005.

IPEA – instituto de pesquisa econômica Atlas da violência. Disponível em: aplicadahttp://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/dados-series Acesso em 10 de maio 2022

KEHL, M. R. Em defesa da família tentacular. Fronteiras do Pensamento – Artigos e Ensaios. 2013. Disponível em: https://www.fronteiras.com/artigos/maria-rita-kehl-em-defesa-da-familia-tentacular. Acesso em 15 de maio de 2022

MARIN, I da S K. Violência e Desamparo. In: Violências/ Isabel da Silva Khan Marin – São Paulo: Escuta/Fapesp, 2002

MARTINOT, A F. A importância da CNV- comunicação não violenta na realização do processo de autoconhecimento. 2016 Disponível em: http://revistas.ung.br/index.php/educacao/article/view/2174/1699 acesso em 25/09/2018. Acesso em 15 de maio de 2022

MINAYO, M. C. de S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. (Coleção temas sociais). Disponível em http://mariogaudencio.wordpress.com/2013/01/02/maria-cecilia-de-souza-minayo/. Acesso em 22 jun. de 2022.

MDS – Ministério de Desenvolvimento Social. Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS/ Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome – Brasília, DF 2011. 120p

MDS – Ministério de Desenvolvimento Social. Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais. Resolução 109/2009 – CNAS. Brasília, DF. Reimpressão 2014

MIOTO, R.C.T A Família como Referência nas Políticas Públicas: Dilemas e Tendências. In. Trad, Leny A Bomfim (org), In: Família Contemporânea e Saúde: significados e políticas públicas, Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2010

MDS – Ministério de Desenvolvimento Social. Novas Propostas e velhos princípios: a assistência às famílias no contexto de programas de orientação e apoio sociofamiliar. In. Política social, família e juventude: uma questão de direitos/ Sales, M A S, Matos MC, Leal MC (org) – 2a ed. São Paulo: Cortez, 2006

NARVAZ, MG. Submissão e resistência: explodindo o discurso patriarcal da dominação feminina. UFRGS – Instituto de Psicologia. POA, 2005

NJAINE, K.; MINAYO, M C de S. Violência na escola: identificando pistas para prevenção. 2003. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/icse/v7n13/v7n13a08.pdf. Acesso em 22 jun. de 2022.

ROSENBERG, M B, Comunicação não violenta: Técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. Marshall B. Rosemberg; [tradução Mário Vilela] São Paulo: Ágora, 2006

SANTOS, B.S. A gramática do tempo-para uma nova cultura política. V4. Editora Cortez. 2011

SCHWINGEL, L. Infância e Violência In: Nem Tão Doce Lar: uma vida sem violência – direito de mulheres e homens/org. Marilu Nörnberg Menezes.-São Leopoldo/Porto Alegre/Genebra: Sinodal/FLD/IECLB/LWF, 2012

SOUZA, A. E. de. Cartas de mala-direta: uma proposta de oficina de leitura via pesquisa-ação/Antonio Escandiel de Souza-Cruz Alta: Editora Centro Gráfico UNICRUZ, 2002.

SZYMANSKI, H. Teorias e “teorias” de famílias. In Brant de Carvalho, M. C. (org). A família contemporânea em debate. São Paulo: Edic/Cortez, 2000p. 23-28

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-ação. 18 ed. São Paulo. Cortez, 2011

UNICEF: violência mata uma criança ou um adolescente a cada 7 minutos Publicado em 01/11/2017 - 13:22 Por Andreia Verdélio - Repórter da Agência Brasil Brasília. In. UNICEF. Relatório. Um Rosto Familiar: A Violência na Vida de Crianças e

Adolescentes

Downloads

Publicado

2023-06-06

Como Citar

GARDIN, L. B.; SOUZA, A. E. de; THESING, N. J.; BISOGNIN, E.; BUTTENBENDER, P. L. COMUNICAÇÃO E A VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR:: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA PESQUISA-AÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA. Anais do Simpósio Latino-Americano de Estudos de Desenvolvimento Regional, IJUÍ - RS - BRASIL, v. 3, n. 1, 2023. Disponível em: https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/slaedr/article/view/22958. Acesso em: 12 abr. 2024.

Edição

Seção

ST3 – Políticas públicas, planejamento urbano e integração regional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>