AGROINDÚSTRIAS FAMILIARES NO SUL DO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO

  • Erica Karnopp UNISC
  • Augusto Fischer UNISC
  • Rógis Juarez Bernardy UNISC
  • Silvio Santos Junior UNISC
  • Virginia Elisabeta Etges UNISC
  • Olgário Paulo Vogt UNISC
Palavras-chave: Desenvolvimento Regional, Agroindústrias Familiares, Agricultura Familiar

Resumo

Este artigo analisa as agroindústrias familiares, a partir de um estudo comparativo das
regiões do Vale do Rio Pardo/RS (VRP) e Oeste Catarinense/SC (AMOSC), ambas no sul do
Brasil. Para o desenvolvimento, utilizou-se a abordagem qualitativa e o método do estudo
multicaso exploratório. A população é de 257 agroindústrias familiares distribuídas em 42
municípios, das quais foram coletados dados por meio de questionário, de 74 agroindústrias
familiares. A constituição das agroindústrias tem mais de 25 anos em média no VRP, e menos
de 25 anos na AMOSC. Em ambas as regiões as atividades agroindustriais se estruturam no
contexto familiar, com passagem de conhecimentos entre gerações, e utilização prioritária
de mão de obra familiar. No VRP as agroindústrias são mais individualizadas e motivadas
pelo aumento de renda familiar. A AMOSC apresenta maior propensão para cooperação entre
as agroindústrias.

Publicado
2018-12-17
Seção
EIXO 2: SISTEMAS PRODUTIVOS E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL