ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE DA COOP:

INSTRUMENTO DE DIAGNÓSTICO PARA A INTERVENÇÃO DA COOPERATIVA NA SUA COMUNIDADE COM VISTAS A PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Autores

  • Deivid Ilecki Forgiarini ESCOOP-RS
  • Cinara Neumann Alves ESCOOP-RS
  • Alexandre de Souza Garcia ESCOOP-RS
  • Bruno Nonnemacher Büttenbender UNIVATES
  • William Neves dos Santos SICREDI
  • Julio Cesar Salecker CERTEL

Palavras-chave:

Cooperativa, Identidade Cooperativa, Desenvolvimento Sustentável, 17 ODS

Resumo

O desenvolvimento sustentável e a identidade cooperativa possuem inúmeros pontos de convergência. É de conhecimento público que as cooperativas podem ser instrumentos relevantes na construção de um mundo mais sustentável, sobretudo se estas estiverem atuando a luz da identidade cooperativa. Contudo ao analisar a literatura não foram encontrados instrumentos que contribuíssem para o gestor de cooperativa diagnosticar em que dimensões a cooperativa poderia contribuir neste processo na comunidade. Sendo assim este trabalho teve como objetivo geral propor um instrumento de diagnóstico para identificar as necessidades da comunidade com vistas a possibilitar maior efetividade das ações de uma cooperativa considerando as dimensões Institucional, Social, Econômico e Ambiental dos 17 ODS. Este trabalho é caracterizado como um ensaio de abordagem fenomenológica. Os quadros 2 e 3 e a figura 3 somados dão conta do objetivo proposto criando o instrumento Coop Sustainability Framework. Conclui-se que o instrumento pode ser capaz de contribuir com um diagnóstico da realidade dos respondentes, dando insumos para a cooperativa pensar ações de promoção do desenvolvimento sustentável na sua comunidade.

Biografia do Autor

Deivid Ilecki Forgiarini, ESCOOP-RS

Doutor em Administração – Professor da Faculdade de Tecnologia do Cooperativismo – ESCOOP.

Cinara Neumann Alves, ESCOOP-RS

Doutora em Desenvolvimento Regional pelo PPGDR/UNISC. Professora da ESCOOP.

Alexandre de Souza Garcia, ESCOOP-RS

Doutor em Administração pela UNISINOS (2019). Mestre em Administração pela UNISINOS (2010). Professor Convidado da Escoop-RS.

Bruno Nonnemacher Büttenbender, UNIVATES

Doutor em Ambiente e Desenvolvimento pela UNIVATES (2022).  Bolsista Prosuc/Capes. Mestre em Ambiente e Desenvolvimento pela UNIVATES (2018). 

William Neves dos Santos, SICREDI

Mestre em Gestão e Negócios pela UNISINOS (2021). Servidor da SICREDI.

Julio Cesar Salecker, CERTEL

Mestre em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos pela UFRGS (2021). Diretor de Geração e Comercialização de Energia da CERTEL.

Referências

ALVES, C. N.; FORGIARINI, D. I. Desenvolvimento regional e cooperativismo: intersecções possíveis. In: DEPONTI, C. M. Extensão e Desenvolvimento Regional: da Teoria à Prática. João Pessoa: Eduepeb, 2021.

ALVES, C. N.; CADONÁ, M. A.; FORGIARINI, D. I. Cooperativismo e Desenvolvimento Regional: uma análise do movimento cooperativista no Brasil e seu papel para o desenvolvimento regional. Anais do V SEDRES - Inovação, sociedade e desenvolvimento regional: repercussões e contradições nos territórios V Seminário de Desenvolvimento Regional, Estado e Sociedade. Taubaté: Ed Unitau, 2021.

BÜTTENBENDER, B. N. O modelo cooperativo e a construção das condições para a sustentabilidade. (Tese de doutorado). Universidade do Vale do Taquari, Lajeado, Brasil, 2022.

BÜTTENBENDER, P. L., PEDRASSANI, D., TOMPOROSKI, A. A., ALVES, C. N.; ÁLVAREZ, J. F. Cooperativismo e desenvolvimento regional: aportes teóricos, experiências e perspectivas. DRd-Desenvolvimento Regional em debate v.12, n. 2, p.1-7, 2022.

CHARTERINA, A. M. Los valores y los principios cooperativos. Revesco - Revista de Estudios Cooperativos. v. 61, p. 35-46, 1995.

DALE, A. et al. Co-operatives and Sustainability: An investigation into the relationship. International Co-operative Alliance, 2013.

FERNANDEZ-GUADAÑO J. LÓPEZ-MILLÁN, M.; SARRIA-PEDROZA, J. Cooperative Entrepreneurship Model for Sustainable Development. Sustainability. v. 12, n. 13, 2020. Recuperado de https://www.mdpi.com/2071-1050/12/13/5462/htm.

FONTELA, R. L. M. Las relaciones entre los valores y principios cooperativos y los principios de la normativa cooperativa. Revesco – Revista de Estudios Cooperativos. v. 124, p. 114-127, 2017.

GIDDINGS, B., HOPWOOD, B., O’BRIEN, G. Environment, Economyand Society: Fitting Themtogether Intosustainable Development. Sustainable Development, v. 10, p. 187-196, 2002. DOI: 10.1002/sd.199.

GIESTA, L. C. Organizações preocupadas com a gestão ambiental e de pessoas e o reflexo na promoção de capital social: Estudo de caso em cooperativas gaúchas. (Dissertação de mestrado).Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Brasil, 2005.

GODWIN, W. Enquiry Cibcerbubg Political Justice. Toronto, University of Toronto Press. v. I, 1969.

GOUVEIA, R. As cooperativas e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Documentos de Discusión. IV Cumbre Cooperativa de las Américas “Cooperativas: Asociatividad para el Desarrollo Sostenible” 14 – 18 de noviembre de 2016, Montevideo – Uruguay, 2016.

INTERNATIONAL COOPERATIVE ALLIANCE – ICA. Cooperative identity, values & principles, 2022. Recuperado em 08 jun. 2022 de https://www.ica.coop/en/cooperatives/cooperative-identity

INTERNATIONAL LABOUR ORGANIZATION. Las cooperativas y los Objetivos de Desarrollo Sostenible, 2015. Recuperado em 08 jun. 2022 de https://www.ilo.org/empent/Publications/WCMS_307228/lang--es/index.html

INTERNATIONAL LABOUR ORGANIZATION. Recomendação nº 193 de 20 de junho de 2002, 2022. Recuperado em 08 jun. 2022 de https://www.ilo.org/dyn/normlex/en/f?p= NORMLEXPUB:12100:0::NO::P12100_ILO_CODE:R193.

LIKERT, R. A technique for the measurement of attitudes. Archives of Psychology. v. 22, n. 140, p. 44-53, 1932.

LIZARRALDE, I. Cooperatism, social capital and regional development: the mondragon experience. International Journal of Technology Management & Sustainable Development, v. 8, n. 1, 2009.

MENEGHETTI, F. K. O que é um ensaio-teórico? Revista Administração Contemporânea, v. 15, n 2, p. 320-332, 2011.

NAMORADO, R. O mistério do Cooperativismo. Coimbra: Almedina, 2013.

NOVKOVIC, S. Cooperative business: What is the role of cooperative principles and values? International Cooperative Alliance Research Conference Cork, Ireland, August 11-14, 2005.

NOVKOVIC, S. Cooperative identity as a yardstick for transformative change. Annals of Public and Cooperative Economics v. 93, p. 313–336, 2022

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, 2015. Recuperado em 05 mar. 2020 de https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf

PINHO, D. B. Dicionário de Cooperativismo. São Paulo: USP, 1962.

PRADHAN, P. A Systematic Study of Sustainable Development Goal (SDG) Interactions. Earth’s Future, 2017.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Cooperativas são atores-chave no alcance do desenvolvimento sustentável, 2021. Recuperado em 01 jul. 2022 de https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/presscenter/articles/2020/cooperativas-sao-atores-chave-no-alcance-do-desenvolvimento-sust.html

ROBBINS, S. P.; JUDGE, T. A.; SOBRAL, F. Comportamento Organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

SAIZARBITORIA, I., URBIETA, L., BOIRAL, O. Organizations' engagement with sustainable development goals: From cherry-picking to SDG-washing? Corporate Social Responsibility and Environmental Management, v. 29, p. 316-328, 2021. DOI: 10.1002/csr.2202.

SARACHAGA, J., ESPINO, D., FRESNO, D. Is the Sustainable Development Goals (SDG) index anadequate framework tomeasure the progress of the 2030 Agenda? Sustainable Development, v. 26, p. 663-671, 2018.

SCHEYVENS, R., BANKS, G., HUGHES, E. The Private Sector and the SDGs: The Need to Move Beyond ‘Business as Usual’. Sustainable Development, v. 24, p. 371-382, 2016.

SCHNEIDER, J. O. A Doutrina do Cooperativismo: Análise do alcance, do sentido e da atualidade dos seus valores, princípios e normas nos tempos atuais. Cadernos Gestão Social, v. 3, n.2, 2012.

SCHNEIDER, J. O. Cooperativismo e desenvolvimento sustentável. Otra Economía, v. 9, n. 6, 2015.

SCHNEIDER, J. O. Identidade Cooperativa: sua história e doutrina. POA: Sescoop/RS, 2019.

SILVA ILHA, P. C. A cooperativa como elemento de capital social na comunidade. Revista da FAE, v. 11, n. 2, 2008.

SILVA, T. N.; et al. Relações de Cooperação e confiança entre organizações cooperativas promovendo o capital social. Revista administração em diálogo, v. 6, n. 1, 2004.

TSALIS, T., MALAMATENIOU, K., KOULOURIOTIS, D., NIKOLAOU, L. New challenges for corporate sustainability reporting: United Nations' 2030 Agenda for sustainable development and the sustainable development goals. Corporate Social Responsibility and Environmental Management., v. 27, p.1617-1629, 2020. DOI: 10.1002/csr.1910.

UNITED NATIONS. UN, Res. 33/47 de 14 de dezembro de 1978. Recuperado em 08 jun. 2022 de https://www.un.org/es/documents/ag/res/33/ares33.htm

UNITED NATIONS. UN, Resolução 49/155 de 23/12/1994. Recuperado em 08 jun. 2022 de https://research.un.org/es/docs/ga/quick/regular/48

UNITED NATIONS. Draft Outcome Document of the United Nations Summit for the Adoption of the Post-2015 Development Agenda, 2015.

WORLD COMMISSION ON ENVIRONMENT AND DEVELOPMENT. Our common future. Oxford, UK: Oxford University Press, 1987.

WORLD ECONOMIC FORUM. The Global Risks Report 2022, 17th Edition. Recuperado de https://www3.weforum.org/docs/WEF_The_Global_Risks_Report_2022.pdf

ZITKOSKI, J. J. O método Fenomenológico de Husserl. Porto Alegre: EDIPUC, 1994.

Downloads

Publicado

2023-06-06

Como Citar

FORGIARINI, D. I.; ALVES, C. N.; GARCIA, A. de S.; BÜTTENBENDER, B. N.; SANTOS, W. N. dos; SALECKER, J. C. . ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE DA COOP:: INSTRUMENTO DE DIAGNÓSTICO PARA A INTERVENÇÃO DA COOPERATIVA NA SUA COMUNIDADE COM VISTAS A PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Anais do Simpósio Latino-Americano de Estudos de Desenvolvimento Regional, IJUÍ - RS - BRASIL, v. 3, n. 1, 2023. Disponível em: https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/slaedr/article/view/22963. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

ST5 – Cooperativismo, economia colaborativa e desenvolvimento