AS INFÂNCIAS CONTEMPORÂNEAS NO VIÉS DA TEORIA DA COMPLEXIDADE

  • Paula Luiza Pündrich
  • Adriane Helena Dutra Quaresma
  • Celso José Martinazzo
Palavras-chave: Complexidade, Culturas Infantis, Educação, Infâncias

Resumo

Este artigo é resultado de um processo de intensas inquietações provocadas durante nossa caminhada na docência. Na medida em que fomos ampliando os conhecimentos sobre a história da infância, sentimo-nos cada vez mais desconcertadas quanto a este tema. A partir destes questionamentos o texto apresenta reflexões sobre as infâncias contemporâneas sob o viés da complexidade, no intuito de compreender como são concebidas no entendimento de alguns autores, de forma a dar visibilidade a esse sujeito histórico e social que é constituído nos ecos e reflexos das Culturas Infantis e das relações de poder que se estabelecem entre os sujeitos adulto/criança.

Trata-se de um estudo teórico e bibliográfico inspirado em diversos autores, entre eles: Arroyo (2008), Corazza (2004), Larrosa (2010), Morin (2000; 2003; 2015), Postman (1999). No contexto da educação brasileira vivemos momentos de muitas incertezas. No que se refere às infâncias contemporâneas há muitos questionamentos por parte dos docentes, especialmente na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental.

Biografia do Autor

Paula Luiza Pündrich

Professora da Rede Pública Municipal, Mestranda no Programa de Pós-Graduação Educação nas Ciências pela UNIJUÍ. Graduada em Pedagogia pela UNIJUÍ.

Adriane Helena Dutra Quaresma

Professora da Rede Pública Municipal, Mestranda no Programa de Pós-Graduação Educação nas Ciências pela UNIJUÍ. Graduada em Pedagogia pela SETREM.

Celso José Martinazzo

Pós-doutor, professor do Departamento de Humanidades e Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências pela UNIJUÍ.

Publicado
2020-12-23
Seção
2 - Releitura dos teóricos em educação