OS REFLEXOS DA CRISE DE GESTÃO MIGRATÓRIA: UM OLHAR ATRAVÉS DOS “ESTRANHOS” DENTRO DE UM PROJETO UNIVERSAL-COSMOPOLITA EM CONTRAPOSIÇÃO À SOBERANIA TERRITORIAL

  • Bárbara Alves Saikoski UNIJUÍ
  • Fernando Hoffmann UNIJUÍ

Resumo

Refletir e compreender o fenômeno migratório atual e em especial os aspectos que são atinentes ao seu principal ator, o imigrante, trazem à discussão, de forma extremada, especialmente pelos meios de comunicação, de uma onda de tensão que avança sobre o cenário internacional. Propaga-se um verdadeiro “pânico moral”, alicerçado pelo discurso de medo para com esses “estranhos” que batem às portas das fronteiras nacionais todos os dias, vistos como uma ameaça para o bem-estar social. Nesse contexto em que os Estados enfrentam uma crise de gestão migratória de tamanha magnitude, o imigrante, inserido dentro de um projeto universal-cosmopolita, faz-se mister analisar a articulação subversiva desse fenômeno, o qual vem em contraponto a ideia tradicional de soberania territorial e de Estado-Nação hobbesiano, por meio de uma análise reflexiva das obras de Zygmunt Baumam.

Palavras-Chave: Migração; Cosmopolitismo; Soberania.

Publicado
2019-04-12
Edição
Seção
Multiculturalismo, Biopolítica e Gênero