DEMOCRACIA E LIBERDADE RELIGIOSA: ABORDAGEM CRÍTICA DA TELE-EVANGELIZAÇÃO EM RAWLS

  • Rodrigo Samuel Ludwig UNIJUÍ

Resumo

O presente artigo tem por objetivo destacar se a tele-evangelização que ocorre no Brasil é ou não factível em um ambiente substancialmente democrático, levando-se em conta o Fato do Pluralismo em Rawls. Primeiramente, o trabalho aborda a mercantilização e a espetacularização da fé, concretizadas por meio da evangelização televisionada, passando, em um segundo momento, a estudar as liberdades comunicacionais sob o prisma da democracia substancial (e não formal), delineando primordialmente o exercício irrestrito da livre manifestação pelas instituições evangelizadoras como forma de violação à laicidade do Estado, à liberdade de crença, e a outros princípios e direitos fundamentais constitucionais, concluindo-se, então, com a crítica à tele-evangelização perante o Fato do Pluralismo em John Rawls, sobretudo quanto à sua obra “Uma Teoria de Justiça”. Diante disso, o método utilizado na realização do estudo foi o dedutivo, alicerçado na revisão bibliográfica de obras doutrinárias, artigos científicos e leis brasileiras pertinentes ao tema. Justifica-se, portanto, o tema do presente estudo por seu caráter contemporâneo e pelo aumento da influência das organizações religiosas nos âmbitos político e social.

Publicado
2019-04-12
Edição
Seção
Multiculturalismo, Biopolítica e Gênero