ORGANIZAÇÃO CURRICULAR POR MEIO DE ATIVIDADES SOCIAIS: RELAÇÃO ENTRE CONCEITOS COTIDIANOS E CONCEITOS CIENTÍFICOS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE ESPANHOL

  • Roberta Kolling Escalante
Palavras-chave: Atividades Sociais. Conceitos. Currículo.

Resumo

Este trabalho objetiva discutir conceitos cotidianos e científicos a partir das experiências entre docente orientadora e residentes do Programa Residência Pedagógica (núcleo Língua Espanhola) na organização da matriz curricular da Educação Básica por meio de Atividades Sociais, entendidas como um conjunto de ações mobilizadas por um grupo com objetivos em comum para satisfazer necessidades dos sujeitos na vida que se vive. Ao compreender a relevância de Atividades Sociais como ir ao médico (esfera cotidiana), participar de Feira de Ciências (esfera acadêmica), ler um jornal (esfera jornalística) e fazer teatro (esfera literária) no currículo, leva-se em conta a vivência de valores, eixos temáticos e projetos integrados que alunos e escolas desejam desenvolver associados a distintos gêneros discursivos (bula, poster, editorial, romance) necessários a atuação e formação crítica dos estudantes, uma vez que, ao participar delas, precisam observar os papéis que assumem, suas consequências, motivações e formas de atuação em cada uma delas. Nesse sentido, através das contribuições da perspectiva sociocultural de Vygotsky e Leontiev, faz-se a reflexão e análise das principais dificuldades apresentadas por professores em formação inicial no duplo movimento entre conceitos cotidianos (não instruídos, espontâneos) e científicos (formais, simbólicos e mediados por outros conceitos) na elaboração de uma proposta de ensino tendo por base as necessidades coletivas e individuais de aprendizagem e de participação efetiva dos alunos na sociedade, as quais pressupõem conexão com diferentes áreas de conhecimento. Logo, as narrativas dos residentes sugerem o desenvolvimento tradicional de formação docente, que pouco valoriza e relaciona as situações teóricas com as práticas de sala de aula, isto é, com insuficiência de conceitos científicos internalizados. Contudo, a fim de que as práticas pedagógicas sejam mais adequadas à formação de conceitos científicos, nota-se a importância do futuro professor realizar reconceitualizações e, notadamente, desenvolver novas maneiras de pensar que se ampliem para outras áreas e para situações que ultrapassem a sala de aula, o que remete a urgência de avaliação dos componentes curriculares da  licenciatura, no intuito de superar a dicotomia teoria-prática.

Publicado
2019-07-25