A EXPERIÊNCIA DA CURRICULARIZAÇÃO DA PESQUISA E DA EXTENSÃO NO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA - CAMPUS FREDERICO WESTPHALEN

  • Rodrigo Luís Melz
  • Pedro Henrique de Gois
  • Marceli Pazini Milani
  • Bruno Batista Boniati

Resumo

Este texto tem como objetivo apresentar a curricularização da extensão e da pesquisa em implementação no Instituto Federal Farroupilha – Campus Frederico Westphalen (IFFar–FW). Mediante o trabalho das pró-reitorias, de um Grupo de Trabalho constituído e de propostas-piloto elaboradas pelos campi da instituição foi iniciado um trabalho que visa atender o Plano Nacional de Educação 2014-2024 (PNE2014-2024, 2019). Este documento orientador para promoção de políticas educacionais brasileiras determina as diretrizes para a curricularização da extensão nos currículos de cursos superiores, prevendo uma carga horária mínima de 10% da total dos cursos para este fim, iniciativa confirmada pela portaria nº 1350 da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação (IFFAR, 2019). Na experiência proposta pelo IFFar, há ainda um desafio mais amplo assumido pela instituição: promover a curricularização da extensão também nos cursos técnicos de nível médio, visando fortalecer a indissociação entre ensino, pesquisa e extensão. No campus Frederico Westphalen, como participante das primeiras propostas iniciadas em 2019, foram selecionados os Cursos Técnico Integrado em Administração e o Bacharelado em Medicina Veterinária. No Curso Técnico Integrado em Administração, que teve o ingresso de sua primeira turma em 2019, foram planejadas ações de curricularização para os três anos de curso, em construção conjunta com professores de diferentes áreas do conhecimento. No primeiro ano os alunos visitarão organizações de diferentes setores (público, privado e terceiro setor) e atuarão, principalmente, com a pesquisa, através de análise das especificidades de cada tipo de organização. Com base nos diagnósticos realizados, no segundo ano os estudantes desenvolverão atividades de extensão, como implementação de melhorias nas organizações visitadas. Já no terceiro ano, a proposição é que os alunos elaborem pesquisas com base em
sua experiência de estágio obrigatório e também desenvolvam extensão à comunidade através
de oficinas e minicursos ofertados em eventos como feiras regionais, mostras de ciências e
ações de divulgações de cursos do IFFar. Já no curso de Medicina Veterinária, a existência de
ações de extensão e de pesquisa em número significativo no curso, facilita à adequação do
mesmo a proposta de curricularização. O Colegiado do Curso fez um estudo detalhado dos
componentes curriculares presentes em cada um dos semestres, e para cada um deles foram
estruturadas propostas de projetos, os quais serão desenvolvidos dentro da PPI (prática
profissional integrada), e terão caráter de extensão e/ou pesquisa.
Cabe ressaltar que o IFFar já possui experiências exitosas com as PPI’s, metodologia que visa
a integração dos saberes de modo a aproximar o perfil do egresso do curso com o mundo do
trabalho. O projeto-piloto visa além de adequar-se com exigências legais, proporcionar a
todos os estudantes a oportunidade de acessar a pesquisa e a extensão dentro da carga horária
das disciplinas, no espaço pedagógico hoje destinado à PPI. O desafio está posto aos cursos
que integram o projeto-piloto: de que forma implementar essa verdadeira ruptura com o
tradicional modelo de ensino e promover sua indissociação com pesquisa e extensão e ao
mesmo tempo garantir a integração das diferentes disciplinas?

Publicado
2019-07-26
Como Citar
MELZ, Rodrigo Luís et al. A EXPERIÊNCIA DA CURRICULARIZAÇÃO DA PESQUISA E DA EXTENSÃO NO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA - CAMPUS FREDERICO WESTPHALEN. II Encontro de Debates sobre Trabalho, Educação e Currículo Integrado, [S.l.], v. 1, n. 1, jul. 2019. Disponível em: <https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/enteci/article/view/11502>. Acesso em: 21 set. 2019.