MARIELLE FRANCO: A RESISTÊNCIA NO CAMPO DA BIOPOLÍTICA E DA PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS

  • Rafaela Weber Mallmann
  • Ana Paula Kravczuk Rodrigues

Resumo

Este texto pretende, a partir dos conceitos de biopolítica, fazer uma análise a respeito da
execução da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, morta em 14 de março de 2018,
partindo do pressuposto de que sua posição política é um meio de resistência. Discorre-se
sobre a repercussão internacional do caso nas mídias e de que modo abriu espaço para a
disseminação de fake news. Aborda-se, ainda, as lutas de Marielle a favor dos direitos
humanos, bem como se esclarece o que são tais direitos e a quem diz respeito esta
proteção. A análise baseia-se no resultado parcial referente ao mês de março do Projeto de
Pesquisa Mídia e Sociedade: o direito à informação, com o subprojeto Direitos Humanos
na internet: um olhar sobre a mulher.

Publicado
2018-07-17
Como Citar
MALLMANN, Rafaela Weber; RODRIGUES, Ana Paula Kravczuk. MARIELLE FRANCO: A RESISTÊNCIA NO CAMPO DA BIOPOLÍTICA E DA PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS. I Congresso Nacional de Biopolítica e Direitos Humanos, [S.l.], jul. 2018. Disponível em: <https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/conabipodihu/article/view/9325>. Acesso em: 17 jun. 2019.
Seção
GT III – BIOPOLÍTICA, GÊNERO E IDENTIDADE