COMO CRIAMOS NOSSOS PRÓPRIOS MONSTROS: UMA ANALOGIA ENTRE “FRANKENSTEIN” E A SEGREGAÇÃO SOCIAL BASEADA EM APARÊNCIAS

  • Bibiana de Quadros Unijuí
Palavras-chave: Preconceito. Segregação social. Frankenstein

Resumo

Uma das maiores causas da exclusão social é o preconceito, que tem suas origens na aversão ao extraordinário, motivada pelos mais diversos fatores (social, econômico, político, racial, etc.). Diante disso, a sociedade faz-se palco de um cenário cheio de segregações, muitas das quais são quase ou exclusivamente motivadas pelo preconceito. O presente trabalho destina-se, portanto, a investigar as razões que levam a sociedade a imputar a determinados indivíduos estereótipos baseados em pré-julgamentos, e como isso se transforma na marginalização de certos grupos ou comunidades. A fim de ilustrar a nocividade do preconceito, se recorre à obra de Mary Shelley, “Frankenstein”, que apesar de ter sido publicada no ano de 1818, ainda se mostra extremamente atual

Publicado
2018-07-17
Seção
GT II – DIREITOS HUMANOS, JUSTIÇA E INCLUSÃO SOCIAL