ESPELHO, ESPELHO MEU: QUANTAS FACES TENHO EU?

  • Franciele Dorneles Filippin UNIJUI
  • Michele Daiana Klinger Braz
  • Carla Leonice Rech Mathioni

Resumo

O presente trabalho realizado com crianças entre 4 e 5 anos sugere o tema “Espelho, espelho meu, quantas faces tenho eu?” como meio de explorar espelhos desenvolvendo vivências e aprendizagens interdisciplinares, de maneira concreta e lúdica. A partir dessas explorações, oportunizou-se a construção de hipóteses e conceitos matemáticos, mediados por pesquisas, registros, representação de problemas, desenhos, colagens, escritas, jogos, construções coletivas, culinária e observações em espelhos. Diante dessas experimentações, percebe-se que no âmbito matemático as crianças apresentam-se com um nível maior de raciocínio lógico, percepção e interpretação analítica de problemas, bem como facilidade de reconhecimento de questões do cotidiano que serão ligadas às aprendizagens matemáticas levadas para vida toda. Este trabalho demonstra a possibilidade de interpretação e adaptação de novas aprendizagens com a da linguagem matemática, realizando também um apanhado teórico embasador do tema através de pesquisa bibliográfica.

Publicado
2018-05-16
Como Citar
DORNELES FILIPPIN, Franciele; KLINGER BRAZ, Michele Daiana; RECH MATHIONI, Carla Leonice. ESPELHO, ESPELHO MEU: QUANTAS FACES TENHO EU?. Seminário Internacional de Alfabetização, [S.l.], maio 2018. Disponível em: <https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/alfabetizacao/article/view/9229>. Acesso em: 18 jun. 2019.
Seção
Artigos Científico